topo↑

Senta que lá vem a história…

NOTA: Esse post é extenso. Você pode achar mais conveniente ler apenas parte dele, mas se fizer dessa forma não conseguirá entender o mesmo por completo.

No início desse ano eu compartilhei com vocês o meu medo a respeito do TCC. Desde janeiro escrevi apenas 6 posts no blog, sendo 3 deles antes de iniciar o projeto. Pois bem, após inúmeras horas de trabalho, noites de sono perdidas, livros comprados, revisões a cada fase, dinheiro gasto com impressões e encadernamento, energéticos e insanidades… eu não cheguei até a banca. Gostaria de estar brincando, ou que isso fosse uma espécie de “rá! pegadinha do malandro”, mas não. Fiquei presa na parte teórica praticamente o ano todo, acrescentando uma coisa aqui e outra ali, revisando, mudando e melhorando. A parte prática mesmo eu iniciei apenas na metade de outubro, creio eu. E foi aí que a coisa começou a apertar (ainda mais).

O TCC de design é diferente dos demais cursos, pois além de parte teórica, você precisa criar um produto de design. Se ele for conceitual, você cria e demonstra toda a parte gráfica, caso contrário, além de criar a parte gráfica você deve mostrar o produto físico. Ou seja, dependendo do projeto, dá MUITO trabalho. E não se trata apenas disso, antes de desenvolver o produto, é necessário elaborar e justificar uma série de alternativas e análises para o mesmo. No meu caso, eu demorei demais para finalizar meu produto. Consegui “terminá-lo” apenas no dia da entrega final e ainda precisava estruturar melhor a conclusão do projeto e o memorial descritivo, além de anexar todas as imagens do produto no trabalho para só então organizar o sumário.

A entrega tinha prazo máximo até ás 22hrs de segunda-feira (03). Às 21hrs da noite desse mesmo dia eu me encontrava em casa, chorando de desespero e tentando finalizar a conclusão/memorial descritivo/anexar imagens do produto/arrumar sumário, tudo ao mesmo tempo. A essa altura do campeonato eu sabia que não conseguiria, então resolvi entregar do jeito que estava. Saí de casa às 21:15h, de carro com o meu irmão. Fomos num lugar conhecido tirar as cópias, mas para o meu azar, a tinta colorida havia acabado e o papel A4 estava no mesmo caminho. 21:30h. Seguimos direto para à universidade, para tentar imprimir na central de cópias de lá. Chegamos às 21:45h e o atendente informou que não seria mais possível a encadernação. Tentei transferir os arquivos mas o computador da central estava muito lento e não conseguia processar nada. Fim da linha. Cheguei no departamento de design e, aos prantos, conversei com a orientadora em busca de uma alternativa, mas não havia. Regras são regras, e também não seria justo com os casos que ocorreram nos anos anteriores e não houve oportunidade de entrega posterior. Eu chorei por um bom tempo, demorei pra assimilar tudo e cair na real de que aquilo realmente havia acontecido. Como não cheguei sequer a ir para a banca (pelo fato de que não entreguei o TCC), tenho o direito de continuar com o mesmo tema no ano que vem (apenas teria que iniciar um novo projeto se por acaso eu reprovasse na banca). Menos mal, pensei. O projeto está praticamente finalizado, ou seja, irei apenas ajustá-lo. Porém, é inevitável o sentimento de tristeza e decepção comigo mesma. Aquela sensação de “o que eu faço agora? falhei com todo mundo”.

Vou usar o que minha amiga (que também não conseguiu entregar o projeto) disse: “Fiquei muito mal ao perceber que não seria possível compartilhar mais uma vitória (conclusão da faculdade) com todos… mas depois, parei de sofrer e pensar nisso. Você e eu somos perfeccionistas Pri, e você sabe que ano que vem será muito gratificante entregar um trabalho em que a gente sabe que merece 10. Eu sei que fiz o que eu pude até o último instante, e sei que ainda posso mais! É isso, nós não estamos desistindo, estamos nos dando mais uma chance”.
Um dos meus professores disse que desistir do TCC no último ano para iniciá-lo no ano seguinte é uma decisão madura; por saber os seus limites e que você talvez não consiga trabalhar o dia todo, estudar à noite e fazer os trabalhos de outras matérias E fazer o TCC ao mesmo tempo. Bom, ao contrário de outras pessoas eu não desisti no meio do ano, embora tenha dado vontade, e MUITA. Mas fui até onde pude e não me envergonho de não ter passado. Bate aquela deprê ao abrir o facebook e ver os meus amigos, seja de design ou de qualquer outro curso, postando mensagens sobre o término da faculdade e/ou apresentação do trabalho de conclusão de curso. Fico feliz por eles, mas fico triste por mim.

O jeito é parar de chorar o leite derramado e me aproveitar do fato de que eu posso continuar com o mesmo TCC, refiná-lo um pouco mais e apresentá-lo sem estresse em 2013.
Se eu conseguir patrocínio ou algo do gênero isso poderá me ajudar muito, portanto, se por acaso você que está lendo esse post, puder contribuir com alguma opção/sugestão/etc, será muito bem vinda(o). Atualmente há em torno de duas ou três iniciativas de revistas com o mesmo enfoque que o meu projeto; acho ótimo e inclusive analisei uma delas no meu trabalho. Contudo, existe uma diferença entre criar uma revista no photoshop ou qualquer que seja o software e distribuí-la gratuitamente ou paga, de modo online ou impresso, com as suas preferências gráficas e de conteúdo; do que desenvolver um projeto gráfico de uma revista com toda uma pesquisa e análise de acordo com o público e o meio em que o mesmo está inserido. Não é algo que surge apenas de uma ideia. É realmente um projeto pensado inteiramente no usuário, com base em um longo e vasto estudo.
Enfim, vou expôr em algumas fotos apenas um fragmento (muito resumido, obviamente) do desenvolvimento da pesquisa e do projeto gráfico da revista, e, ao final vocês podem conferir a versão pronta da mesma.

Para conhecer melhor os interesses do público, elaborei um questionário, no qual foi divulgado de forma online. Dentre as várias perguntas, a questão chave foi a respeito da opinião das pessoas a respeito do lançamento de uma revista com enfoque no k-pop, mas que também aborde a cultura coreana. Após isso, selecionei algumas das respostas mais relevantes.


Opinião do público sobre a contribuição do lançamento da revista proposta.

Para analisar o público alvo de maneira que suas características e necessidades possam ser melhor compreendidas, foram criados dois paineis semânticos. O painel exposto abaixo ilustra as características do perfil do público, trazendo referências das mesmas para demonstrar o comportamento e o modo de agir e pensar de cada um.


Painel Semântico – Características do Público Alvo.

Para verificar as características de revistas similares disponíveis no mercado e compará-las a fim de conhecer melhor o âmbito em que o produto está inserido, realizei a chamada análise sincrônica. Aqui encontra-se apenas uma parte da análise, esta feita das páginas internas da 인기가요 (Inkigayo) Magazine; mas também foram analisadas as capas e, como já informei anteriormente, outras revistas.


Análise sincrônica – Páginas internas da Inkigayo Magazine.

Para direcionar um foco para a revista e, futuramente, conduzir a permanência da mesma no mercado, elaborei um painel conceitual com o propósito de auxiliar na colocação dos valores estabelecidos para a revista.


Painel Conceitual dos valores definidos para a revista.

Além da análise e escolha do formato, tipografia e papel da revista, fez-se também uma análise das cores a serem aplicadas no projeto gráfico. Contudo, pelo fato do tema do meu projeto ser dotado de um estilo particular, onde a mistura de gêneros musicais influencia nos estilos de cada grupo/artista e consequentemente interfere na variação contínua de cores e tons que estes usam para representar a si mesmos, descartou-se a possibilidade de limitação de cores para a revista. Logo, criei primeiramente um painel especialmente para o estilo do k-pop, fazendo referência aos shows, performances, videoclipes, capas de álbuns, roupas e também ensaios fotográficos dos artistas.

br>


Análise de cores quanto ao estilo do k-pop.

E criei um segundo painel exclusivamente relacionado à cultura coreana em geral, onde selecionei imagens que conferem ao próprio país, desde a culinária, televisão, curiosidades, moda, tecnologia e tradição; itens que também foram abordados no questionário realizado com o público e que foram aplicados nas editorias da revista.


Análise de cores quanto à cultura coreana em geral.

Pulando para a parte da construção visual das editorias da revista (são estas as responsáveis por dividirem as seções da mesma), gerei alternativas para decidir o modelo final. Após isso, gerei alternativas para os ícones de cada editoria. O resultado é mostrado abaixo.



Aplicação das alternativas escolhidas para os símbolos editoriais da revista.

Após a escolha das editorias ainda defini a ordem das páginas, ou seja, qual seria a ordem das seções da revista. Depois disso, parti para a geração de alternativas para a capa, como vocês podem conferir a seguir.


Alternativas geradas para a capa da revista.

Baseada nessas alternativas, escolhi a opção 3 como a mais apropriada, e elaborei possíveis opções de capa, apenas para ilustrar a escolha. Demonstrei também a capa final e o grid (linhas de construção) da mesma.


Possíveis opções de capa e alternativa escolhida e digitalizada para a capa da revista.

Após isso ainda gerei alternativas para o sumário, páginas internas, entre outras editorias. Decidi não publicar esse andamento final pois o post já está enorme, então pulei diretamente para o protótipo final (abaixo). Lembrando que, por ser um protótipo, ele não está com o número de páginas e matérias que eu realmente gostaria que estivesse; sendo que para demonstração do modelo precisei “preencher” algumas páginas com pôsteres e citações. Como continuarei com o projeto no próximo ano terei a oportunidade de diagramar a revista com o conteúdo 100%.

Ah, ainda foram elaborados cards colecionáveis como opção de brinde para a revista, sendo estes brindes fixos e que também possam acompanhar outros tipos de brindes. Seriam 21 cards, com o tema do grupo/artista da capa da revista, para favorecer o caráter colecionável dos mesmos.


Modelo da frente e verso dos cards colecionáveis

Espero que tenham gostado!
Obrigada (e parabéns, heh) aos que leram até aqui.

Priih

Priscila Cardoso (프리실라 카르도스), ou apenas Priih. 26. Inconstante em muitos níveis e intensa igualmente. Escreve incontroladamente sobre tudo e tagarela sobre a Coreia desde 2008. Descobre novas paixões a cada dia e não dispensa livros, música e uma boa caneca de café.
  • Van

    AHAZOU, PRI

    17 de dezembro de 2012 at 1:53 Responder
  • Thamires

    Ouvindo sua história não há como não se emocionar ou ficar preocupada e ansiosa para quando chegar a minha hora de fazer esse tal tcc… Mas tenha a certeza que vc desenvolveu um ótimo trabalho, que foi competente, e que a sua dedicação fica expressa no trabalho que desenvolveu. Te aconselho a não ficar divulgando muito o seu trabalho na internet… ou a idéia dele… pq como vc ainda não o apresentou… e um trabalho como esse tem que ter originalidade é perigoso alguém ter a “mesma ideia que vc”… Parabéns… já se sinta uma vitoriosa, muitos não teria a dedicação que vc tem…

    16 de dezembro de 2012 at 17:26 Responder
  • Áxil Borges

    Olá Priscila, a gente não se conhece, nunca nos falamos, somos apenas amigos no Facebook, mas para começar, li o post inteiro e confesso que não entendi algumas partes, porque sou totalmente leigo na área de design, mas te desejo muita sorte, muita força, tudo de bom para que você possa levar esse projeto em frente. E gostei muito do projeto, baseado no que entendi, sou um fã de K-Pop e da cultura coreana em geral e com certeza, seria um assinante da revista, espero que você consiga patrocinadores e pessoas empenhadas em te ajudar. Um grande abraço, força e no que precisar e eu puder ajudar, pode falar!!!

    16 de dezembro de 2012 at 16:26 Responder
  • Beatriz Gomes

    Olá Priscila. Parabéns pelo trabalho viu? Não sou sua amiga nem nada, mas te sigo no twitter e na instagram, e via você comentando e tirando fotos do seu trabalho e falando o quanto tava difícil, fiquei muito triste ao sabe que isso aconteceu, mas fazer o que né? Se Deus quis assim, não podemos fazer nada. Mas sabemos que você consegue e que o ano que vem seu trabalho (TCC) vai ficar melhor que 10. Beijos, fica com Deus!
    @_beaagomes
    http://indoparalondon.blogspot.com.br/

    16 de dezembro de 2012 at 14:35 Responder
  • Esperança

    Priscila… orgulho de vc :)

    15 de dezembro de 2012 at 20:00 Responder
  • Trapícia Chingu Chun Chun q

    Nossa, eu me lembro de quando você chegou pra mim e pediu desculpas por não estar “mais me dando atenção” como antes. A única que eu pensei foi: poxa, que menina é essa? A guria tá sem dormir, enlouquecendo de tanta coisa pra fazer, e ainda tem tempo de lembrar de mim…
    Eu entendo, sempre entendi, e te apoio, espero que você tenha consciência disso, sempre.
    Quanto ao seu trabalho, eu imaginava que tava ótimo, mas só agora eu pude ter noção da perfeição disso. Parabéns chingu, que coisa mais bem feita, profissa. Gente, tá muito lindo!!! <333
    Então, nada de pensar que tudo que você passou foi em vão, olha só que resultado maravilhoso você tem em suas mãos! Tempo, se a gente for parar pra pensar, é bobagem, o importante é que você vai chegar lá.
    Conta comigo ❤
    E eu te desejo tudo de mais perfeito em 2013, quem sabe a gente não consegue se encontrar esse ano!!!111111!! Já pensou que perfeito? <3
    Amo você, obrigada por ser minha amiga *orgulho*

    14 de dezembro de 2012 at 16:37 Responder
  • Janaína C. M.

    Querida e dedicada Priih, parabéns pelo esforço, pelo trabalho impecável que tu fizeste. Sei que se sentiu mal por não ter conseguido entregar, mas acredito que isso aconteceu por um bem maior; quem sabe foi por causa disso que agora tu poderá conseguir um apoio, um patrocínio, uma divulgação do teu trabalho, que é maravilhoso! Deves receber todo o mérito porque tu fez muito, muito mesmo! Orgulho de conhecer uma pessoa como vc, orgulho de saber que existem pessoas assim, que lutam até o fim, sem esmorecer. Parabéns mais uma vez e desejo muito sucesso para o próximo ano, acredito que algo lindo está esperando por ti! Grande beijo!

    14 de dezembro de 2012 at 13:00 Responder
  • Fagui

    gatuxa, fiquei triste em saber que você não foi aprovada. li o post inteiro (inclusive a opinião nº 1 do projeto é minha hihi)e realmente tá linderrimo, eu super compraria a revista ou leria online. nesse ano você pode não ter alcançado o seu objetivo, mas você tem um projeto quase pronto, talvez esse não tenha sido o momento certo, mas ano que vem tenho certeza que você vai ser aprovada e vai divulgar o k-pop pro brasil inteiro <3

    14 de dezembro de 2012 at 12:02 Responder
  • Sah☆

    Priih! Primeiro parabéns pelo TCC incrível, fico imaginando o quanto ele pode melhorar com esse ano a mais para desenvolve-lo. Vai ficar ainda mais incrível, e se eu fosse você venderia essa ideia depois, tem muito futuro.
    Tudo o que você compartilhou está muito bem feito, e sei que você só vai melhora-lo ainda mais a partir de agora :3
    Encare esse tempo a mais como um bônus bem vindo que você ganhou, um tempo para deixar o seu projeto ainda mais profissional! Não fica triste, tudo o que acontece com a gente acontece por um motivo ^^
    Boa sorte no próximo ano, e que ele seja 1000x melhor! Ganbatte xingu! (aquelas que mistura coreano com japonês HAHA)
    Sei que você consegue! <3

    14 de dezembro de 2012 at 11:59 Responder
  • Renata

    nossa Pri, lembro de ver você comentand no twitter sobre seu TCC e tals mas não imaginava a trabalheira que tinha sido.
    Apesar de não entender nada da cultura oriental gostei muito do projeto da revista. Se ela realmente existisse (e eu gostasse do assunto) compraria sem pensar duas vezes!
    Agora capriche e arrase nele ano que vem!
    ;*

    14 de dezembro de 2012 at 2:50 Responder
  • Loma

    Se disser que chorei de orgulho você acredita? O susto passou, não deu tempo, agora foca em entregar um projeto EXEMPLAR no próximo ano, Prih! Conta comigo, tá? E eu realmente AMEI tudo, tá na cara que você usufruiu tudo que a faculdade te proporcionou, orgulho imenso de você, sua talentosa! Sem palavras pra sua dedicação e pra esse projeto LINDO! <3

    14 de dezembro de 2012 at 2:49 Responder

Comenta, vai?