KPOP & DESIGN: ONE OF A KIND (GOLD EDITION)

maio 24
8 comentários

E estreando o segundo post da categoria KPOP & DESIGN, trago para vocês um mini álbum incrível, no qual a embalagem física por si só não tem nada de mini – risos. A propósito, como eu já mencionei antes, só tenho álbuns do BIGBANG e solo dos integrantes, então é basicamente o que vocês verão por aqui nessa categoria – ao menos por enquanto. Mas devo dizer que o design dos álbuns e DVD’s do G-DRAGON são os meus favoritos, por ele participar ativamente no processo de escolha junto com os designers e valorizar muito isso de transmitir algo com o material, de passar a sua identidade e, acima de tudo, dar classe para o conceito estético. Ele gosta de trabalhar com a imagem dele e a explora muito bem, pois sempre afirma ter uma noção específica do resultado que almeja, e isso acaba refletindo em tudo que ele faz.


Seraphina e Sangue de Dragão: uma duologia intrigante

maio 14
6 comentários

Começo esse post com certa relutância. Primeiramente por ser a primeira resenha que escrevo no blog, o que aumenta a minha ansiedade a respeito do possível feedback que receberei. E em segundo, pelo fato que decidi inserir essa nova categoria para tentar exercitar (ainda mais) a minha memória.
De uns anos pra cá, tenho tido lapsos de memória vergonhosos, diga-se de passagem. Por vezes, enquanto leio (mas com a cabeça lá na morte da bezerra), sem querer deixo passar coisas importantes, e preciso reler frases ou até mesmo páginas anteriores. Até li uma matéria esses tempos, a qual informava que isso infelizmente é normal nessa nova geração “multitasking”, o que atrapalha não apenas a produtividade no trabalho, mas a satisfação das atividades que fazem parte do nosso lazer.
Enfim, normal ou não, a partir de agora postarei resenhas sempre que possível, seja de livros, graphic novels, séries, ou o que for. E como esse é um blog pessoal, eu simplesmente não consigo iniciar o post sem antes ter essa intro com uma troca mais intimista com vocês, para explicar as minhas motivações, hehe ♥

Para os amantes de literatura fantástica, Seraphina tem tudo para ser um prato cheio. Com uma história rica tanto em personagens, quanto no desenvolvimento da trama em si, intriga a curiosidade do leitor a respeito do universo que oferece.

8 amores platônicos, ou: (alguns dos) crushes da minha vida

abril 28
10 comentários

Amores platônicos é um dos temas de abril do grupo Blogueiros Geeks, e obviamente, não escolhi justamente esse tema por acaso; afinal de contas, desde criança tenho uma lista de crushes que só aumenta! E nem tinha como ser diferente. A menos que eu vivesse reclusa, sem consumir nenhum tipo de mídia impressa ou eletrônica – e por essas, eu me refiro a filmes, séries, animes, programas de TV, livros, mangás, hq’s, música, jogos… tudo. Meus amores platônicos sempre foram ligados à personagens fictícios/celebridades – porque se for pra sofrer, que seja por algo que te proporcione momentos bons em sua maioria, e que não possa te ferir diretamente, certo pessoal? xD E tirando a tristeza de matarem o seu personagem favorito, todo o resto é fichinha e você só fica agoniada pelo mesmo se atrever a ser tão incrível (na sua concepção).

Originalmente, deveríamos citar apenas 3 amores platônicos. Espremi 8 aqui nesse post, com muitas dúvidas até chegar num consenso, que fique claro. E no meu listography há, nada menos do que 34 crushes – fora os que ainda estão perdidos na minha mente e esqueci de incluir lá. Então vocês podem imaginar o que eu passei pra chegar até aqui finalizar esse post /chora.

Declaro aberta uma fresta do meu baú de crushes/amores platônicos. Certamente muitos deles não serão novidade para os que já me acompanham por algum tempo. Então vocês podem rir, mas também podem se manifestar nos comentários caso se identifiquem com algum dos boys (eu sei que vão).

Gasparzinho (1995)


Eu cheguei a mencionar num outro post que o Leo DiCaprio foi o meu primeiro crush da vida, mas estava errada. Antes dele veio o Gasparzinho. Como pude me esquecer? Aquela dança, aquele beijo! Se sua infância se passou nos anos 90 e você viu esse filme, com certeza você me entende. Não bastava o personagem ser um amorzinho, toda a história a respeito dele no filme, fazia com que você se apaixonasse ainda mais. E como não amar alguém que se priva de sua vontade de voltar à vida para reviver o pai de sua amiga/crush?? =( Não tem como, gente.