topo↑

Sugestão de leitura: Korea The Impossible Country

Se você tem interesse em aprender mais sobre a cultura coreana, desde a história da mesma até os dias atuais, com certeza o livro Korea: The Impossible Country atenderá suas expectativas! Abrangendo questões que vão além das comumente abordadas sobre a Coreia, o autor traça uma leitura instigante e ao mesmo tempo objetiva, que te prende do início ao fim e te faz refletir a cada página lida ♡. Me atrevo a dizer que poderia ser adotado como leitura básica para os interessados no assunto.

O livro é dividido em 5 partes – muito bem elaboradas – que compõem a história de luta e crescimento da Coreia com o passar dos anos, além de expor seus aspectos culturais, religiosos e políticos. O autor complementa com educação, valores, moral social e familiar, estendendo até o comportamento atual. Cada tópico é rico em detalhes e explorado na visão de um estrangeiro que vive na Coreia, o que torna a leitura ainda mais interessante, pelo fato de ser uma perspectiva original e com embasamento.

Mesmo que você já tenha um certo conhecimento a respeito do país, a bagagem de informações novas será imensa e fará com que você compreenda melhor a Coreia como um todo. Hoje em dia, há inúmeros sites e blogs que ensinam sobre a cultura coreana, mas a concepção que eu tive desse livro foi a de uma compilação muito bem estruturada de coisas que eu sempre quis saber sobre a Coreia, com questões que jamais imaginaria estudar ou descobrir.

Daniel Tudor retrata a incrível volta por cima que o país deu após a guerra, com um desenvolvimento rápido e surpreendente, e a conquista da ascensão da democracia anos mais tarde. Ele consegue expressar a força cultural presente nos costumes sociais do povo, que na maioria das vezes intriga aos que não conhecem e criam estereótipos. O tipo de coisa que torna-se difícil de escrever, a menos que você tenha de fato vivenciado isso, como ele o fez. E é essa narrativa com propriedade e sentimento que faz toda a diferença nesse livro.

A grande referência feita à várias religiões e crenças (entre elas: xamanismo, animismo, budismo, cristianismo e protestantismo) abre um enorme leque de aprendizado, e ajuda a entender melhor as características e princípios da sociedade antiga e moderna coreana. Além disso, esse contexto fica ainda mais claro ao ser definida a influência do Confucionismo nas práticas culturais da Coreia – fato que até então eu não tinha ideia sobre, e fiquei surpresa por fazer tanto sentido.

O autor menciona a prática do estudo excessivo na Coreia e a importância dada em relação à isso. Algo que, além de gerar colocações ótimas não apenas no país, mas também em instituições fora dele, contribui para o desenvolvimento de produtos com tecnologia de ponta em empresas renomadas da Coreia. Em contrapartida a esse tema, menciona-se ainda os altos índices de suicídios ocasionados por depressão, alta competitividade na educação e na busca de cargos maiores, entre outros fatores.

Particularmente, um dos tópicos que mais me chamou atenção, foi sobre o Jeong 정, no qual Daniel descreve como o “abraço invisível”. Jeong é uma palavra que acaba sendo difícil de definir até mesmo para os próprios coreanos, por possuir um significado muito amplo. Pode expressar simpatia, amor, comprometimento… mas não é uma questão de escolha. Como o próprio autor comenta: “É até mesmo possível ter/sentir jeong com uma pessoa que você não gosta”. Por dar a entender que há esse conceito de vínculo com alguém, ao ponto de apoiar a pessoa independente do que for, essa parte em especial do livro me cativou bastante, apesar de ainda ser um mistério pra mim.

“Isso faz parte da natureza dessa cultura:
felicidade tingida com o agridoce e tristeza acentuada com esperança.”

Para finalizar, posso dizer que esse livro expandiu meus horizontes (ainda mais) para a cultura coreana em si, e aumentou o respeito que eu já tinha anteriormente pelo seu povo e suas crenças. Aliás, o título “The Impossible Country” exemplifica como a Coreia foi capaz de conseguir o impossível para se reerguer, passando de um país pobre e devastado pela guerra, para uma nação democrática e muito bem desenvolvida. Sendo assim, eu recomendaria a leitura do mesmo para qualquer pessoa que planeja viajar para a Coreia um dia, para quem está atualmente morando lá e quer conhecer mais de sua história, ou simplesmente para os admiradores da cultura e que desejam aprender sobre o país.

*Este post faz parte de um artigo que escrevi especialmente para o Centro Cultural Coreano há um tempo atrás. Decidi então resgatá-lo, pois sempre tive vontade de compartilhar sugestões de leitura desse tipo aqui no blog também

Priih

Priscila Cardoso (프리실라 카르도스), ou apenas Priih. 27. Inconstante em muitos níveis e intensa igualmente. Escreve incontroladamente sobre tudo e tagarela sobre a Coreia desde 2008. Descobre novas paixões a cada dia e não dispensa livros, música e uma boa caneca de café.

Comenta, vai?